Atividade Externa POLO CENTRO

Sou o Athila, da turma de segunda do polo Centro, no dia 15/04 fomos à Oficina Cultural Oswald de Andrade para a exposição “Gabinete Ansiedade” da artista Andréa Tavares.

Foi uma experiência, particularmente, incrível! E gostaria de compartilhar isso com os outros aprendizes através da Revista. Acredito não ter sido o único a sentir essa exposição.

“Nessa exposição tem tudo, tem planos frustrados, segredos, lembranças guardadas, aquilo que esquecemos e nos persegue, que nos tortura, o que já nos foi indispensável, o que já não funciona mais, o que ta guardado no íntimo, o que intimida. Aquilo que acreditamos que usaremos algum dia, o que nunca usamos, o que não queremos mais usar, aquilo que machuca e o que cura. tudo que passa e pousa, tudo o que à tona, o que achamos que não vem, aquilo que lembramos sempre, mas queremos não lembrar, a aleatoriedade  do nosso ser, o que nunca, nem sequer por um segundo, conseguimos entender, o que compreendemos de todas as formas.É isso que Andréa propõe, ou pelo menos é que se entende, costumo dizer que cada arte é unica, não apenas para quem e por quem a faz, mas para quem a recebe, nossos entendimentos estão baseados nas nossas vivências, por isso, cada arte se torna… Particular. Fechar, conter, proteger – instintos do corpo, manifestações naturais para acionar mecanismos de luta ou disparar estratégias de fuga em situações de risco – se deterioram. Um acesso de ansiedade é como a exposição, tudo de uma vez, de forma desordenada numa tentativa de controle, num pequeno espaço, que pode ser rápido, ou parece ser, para quem vê, mas intenso, quase que eterno e agoniante para quem sente. A evidenciação de diversos elementos que levaram tempo para estar ali e que vêm tudo de uma só vez.”

Agradeço a oportunidade de poder compartilhar com outras pessoas.

Atenciosamente,
Athila Melo

No Comments

Post a Comment

Comment
Name
Email
Website